segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

E AÍ, O QUE VAI SER?

     Aí que não sou eu quem vai responder. Aí que o nosso barco está parado em águas rasas, quando foi você quem me pediu pra subir as velas. Aí que não tem mais vento e foi você quem surgiu quando meu vento acabou e trouxe um resto de ilusão pra dentro do meu porto. Aí que não tem mais porto, só um barco à deriva de você. E aí...
     Aí não tenho mais força pra tentar injetar qualquer esperança nas minhas veias, porque fiquei fraco de repente, mesmo fingindo saúde boa e coração forte. E aí suguei pra dentro de mim cada brisa fresca que partiu de seu hálito cheio de esperança e juventude. Aí não consegui dormir, porque sua energia tomou todo o meu ser e me jogou no alto, cheio da adrenalina brilhante que cegou minha vista. Aí veio aquele movimento forte dentro de mim, uma ilusão de que os ventos chegariam e de que valeria realmente a pena lançar-me a este mar infinito. Um mar cheio de possibilidades pra quem só virou marinheiro em alto mar... Aí eu saí correndo, fingi ter asas, entrei no barco e terminei sozinho: sem a força do vento, sem coragem, sem qualquer indício antigo de que isso realmente valeria a pena...
    E aí? Seu pedido não me interessa. Sua ligação voltando atrás tão rápido, suas frases seguindo meus conselhos menos sinceros, seu riso nervoso. Nada disso me interessa como eu fingi parecer.
     Não dá pra ser somente amigo. Não dá pra esquecer que ainda ouço outro coração batendo, quase aqui dentro, chacoalhando meu peito de olhos arregalados enquanto você adormece tranquilo, inconsequente como quase toda juventude. Lamento, mas cá estou novamente, quebrando a cara em mais um salto imenso, esquecendo que aos poucos isso tudo poderia ir ficando pra trás, sem tanto sofrimento. Lamento que tenha sido tão intenso a ponto de me movimentar. Lamento se agora me faz sentir que era só um desejo inconsciente de que eu pulasse no barco afinal. Lamento que agora eu não tenha mais força nenhuma. Lamento pensar que você não vai mais me levantar como me tirou do chão na luta mais difícil ou como enxugou minhas lágrimas ouvindo Poema. Lamento se eu ainda espero e se você insiste em telefonar e falar mil coisas querendo dizer apenas: estou acabando aos poucos pra você não sofrer de uma vez...
     Lamento, mas se esforça pra ler até o fim e entender tudo que eu só planejei porque foi você quem pediu. Se esforça pra deixar a louça na pia e lembrar que eu lavei sozinho, vários dias depois, pra não ter que relembrar tudo que a gente fez junto naquela cozinha. Se esforça pra imaginar como ficou tudo aqui dentro, a bagunça que a gente fez e eu agora estou organizando. Se esforça, uma vez mais, e imagina o cheiro bom de limpeza que só durou o primeiro dia, porque depois era só cheiro de sabonete e um sono tranquilo...
     Lamento se segui seus conselhos, lamento se eu tentei ser mais romântico, lamento se baixei o volume, lamento se meu discurso sobre a complexidade do amor durou só o primeiro dia...
     E por fim, me desculpe: era eu quem deveria tomar o controle de tudo, deixar a louça na pia, trancar a casa, usar o mesmo perfume com outras pessoas, mandar menos notícias e ir fazendo o jogo que as pessoas inventaram pra sofrer da maneira correta...
     Mas eu lamento imensamente se não sou desse tipo e juro... juro que desta vez vou entender o recado e vou dormir sem te encher com aquele 'boa noite' que eu mesmo usava pra receber de volta meu sono tranquilo...
     


Sebastião Salgado

Oswaldo Juliano Sandi

2 comentários:

Bianca Alves disse...

Tem muito de mim nesse texto. Parabéns pela escrita!!

Oswaldo Sandi disse...

Obrigado pela visita, Bianca!
Abraço.